Betim; Belo Horizonte; Brumadinho; Caeté; Capim Branco; Confins; Contagem; Esmeraldas; Pará de Minas; Ibirité; Igarapé; Itaguara; Itatiaiuçu; Itaúna; Jaboticatubas; Juatuba; Lagoa Santa; Mário Campos; Mateus Leme; Matozinhos; Nova Lima; Nova União; Pedro Leopoldo; Raposos; Ribeirão das Neves; Rio Acima; Rio Manso; Sabará; Santa Luzia; São Joaquim de Bicas; Itabira; Sarzedo; Sete Lagoas; Vespasiano; Divinópolis; Cláudio; Ubá; Viçosa; Dores do Turvo; Senador Firmino; Ponte Nova; Piranga; Lamim; Alto Rio Doce; Desterro de Melo; Rio Pomba; Astolfo Dutra / Minas Gerais.

Recursos naturais renováveis são recursos naturais que, depois de sua exploração, podem voltar para seus níveis de estoque anteriores por um processo natural de crescimento ou reabastecimento (OECD, 1997), como por exemplo a energia solar, o ar, a água e os vegetais. No caso da água a sua renovação é através do ciclo hidrológico. As nascentes são manifestações superficiais de lençóis subterrâneos, dando origem a cursos d’água (VALENTE et al, 2005).

Antes de falar sobre a recuperação de nascente propriamente dita temos que entender o processo ecológico que compõe este sistema. As nascentes na maioria das vezes só existem ou surgem devido à capacidade de infiltração e percolação de água no solo abastecendo os lençóis freáticos. Para este processo ocorrer é necessário que se tenha áreas permeáveis e um componente arbóreo suficiente para contribuir com a retenção desta água advinda da chuva e assim favorecendo a infiltração. A vegetação tem o papel relevante no sentido de redução do escoamento superficial da água sobre o solo durante e depois da chuva. O reabastecimento do lençol freático torna-se necessário para que haja o surgimento na nascente ou mina d’água.

No entanto hoje se ouve dizer que muitas nascentes estão secando ou deixando de existir. Para esta confirmação deve ser ressaltada no primeiro momento pelo impacto ambiental adverso causado pelo homem. E no segundo momento que uma nascente pode deixar de existir naturalmente por um intervalo de tempo indeterminado ou para sempre, por questões geológicas, ecológicas, fenômenos naturais, dentre outros.

A degradação de ambientes naturais como, por exemplo, supressão de vegetação para pastagens de gado, para cultivos agrícolas em área próximas a nascentes e perfurações de poços artesianos demasiadamente contribuindo para o rebaixamento dos níveis das águas subterrâneas, sem os devidos estudos técnicos resultam em curto prazo no desaparecimento das nascentes. A falta de consciência, de fiscalização ambiental também, são outros fatores que contribuem para o impacto ambiental sobre as nascentes.

No entanto existem meios de atenuar alguns problemas ocasionados em nascentes. O primeiro é respeitar a legislação imposta pelo código florestal Lei 12.651 de 2012 (cap. 2 art. 4). O segundo é contratar técnicos experientes e capacitados para identificar a melhor forma de recuperar uma nascente. Recuperar ou revitalizar uma nascente não é uma tarefa fácil deve ser avaliada toda dinâmica ecológica da área que irá sofrer interferência direta e indiretamente. Observar o nível de perturbação ambiental na área, qual espécies arbóreas a serem plantadas.

Diante destas ações citadas, em médio e longo prazo muitos ambientes de nascentes voltam a brotar água.

Acesse o texto em PDF: recuperacao-de-nascente

Bibliogafia Consultada:

VALENTE, O, F; GOMES, M, A. Conservação de nascentes: hidrologia e manejo de bacias hidrográficas de cabeceiras. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 210p, 2005.

Autor: Edgar Amarante Caldeira Diniz -Ecólogo, Especialista em Gestão Empresarial e Coordenador Administrativo da empresa Licenciar Consultoria Ambiental Ltda. Outubro de 2016.

 

Deixe uma comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *